Inscription Aller à: [ recherche ] [ menus ] [ contenu ] [ montrer/cacher plus de contenu ]



LA SAINT-VALENTIN

LA SAINT-VALENTIN / A SÃO VALENTIM

O DIA DOS NAMORADOS

 

LA SAINT-VALENTIN coeur

 

Petit lexique :

Aimer : Amar

Je t’aime : Amo-te

coeur : coração

lettres d’amour : cartas de amor

histoires d’amour : histórias de amor

déclaration d’amour : declaração de amor

bisous : beijinhos

 

POEMAS DE AMOR DE GRANDES AUTORES PORTUGUESES :

AMOR É FOGO QUE ARDE SEM SE VER

Amor é fogo que arde sem se ver;

É  ferida que dói e não se sente;

É  um contentamento descontente;

É  dor que desatina sem doer;

 

É  um no querer mais  que bem querer;

É  solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;

É cuidar que se ganha em se perder;

 

É  querer estar preso por vontade;

É  servir a quem vence, o vencedor;

É  ter com quem nos mata lealdade.

 

Mas como causar pode seu favor

Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é o mesmo Amor ?

Luís de Camões

 

O AMOR É UMA COMPANHIA

O amor é uma companhia.

Já não sei andar só pelos caminhos,

Porque já não posso andar só.

Um pensamento visível faz-me andar mais

Depressa

E ver menos, e ao mesmo tempo gostar

bem de ir vendo tudo.

 

Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.

E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.

Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.

 

Todo eu sou qualquer força que me abandona.

Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.

Alberto Caeiro, heterónimo de Fernando Pessoa

 

O MAIOR BEM

Este querer-te bem sem me quereres,

Este sofrer por ti constantemente,

Andar atrás de ti sem tu me veres

Faria piedade a toda a gente.

 

Mesmo a beijar-me a tua boca mente…

Quantos sangrentos beijos de mulheres

Pousa na minha a tua boca ardente,

E quanto engano nos seus vãos dizeres!…

 

Mas que me importa a mim que me não queiras,

Se esta pena, esta dor, estas canseiras,

Este mísero pungir, árduo e profundo,

 

Do teu frio desamor, dos teus desdéns,

É, na vida, o mais alto dos meus bens ?

É  tudo quanto eu tenho neste mundo ?

Florbela Espanca

 

 

Pas de Commentaires à “LA SAINT-VALENTIN”

  ( Fil RSS pour ces commentaires)

Laisser un commentaire


Diapoésies musicales |
passion littéraire |
lire puis écrire |
Unblog.fr | Créer un blog | Annuaire | Signaler un abus | Laisse moi mettre des poème...
| Le Dragon de la Rivière
| Tisseurs de Mondes